Welcome to Delicate template
Header
Just another WordPress site
Header
Just another WordPress site
Header

Resíduos da Construção Civil devem ter destinação e gestão adequada

Alvenaria gera 50% do volume de resíduos de uma obra, madeira 30% e gesso 10%. Cada um requer procedimentos específicos. Saiba quais são eles.

Redação AECweb / e-Construmarket

Reciclagem em canteiro para produção de agregados com uso em estabilização de solos na própria obra
As obras residenciais ou comerciais que utilizam processos construtivos convencionais, ou seja, estrutura de concreto armado associada a vedações em alvenaria com blocos de concreto ou cerâmicos, geram entre 0,10 e 0,15 m³ de Resíduos da Construção Civil – RCC /m² de área construída. De acordo com o mestre em Tecnologia Ambiental, Elcio Careli, diretor da empresa Obra Limpa, 50% desse volume se referem à alvenaria, concreto, argamassas e cerâmicos; 30% à madeira; 10% ao gesso; 7% ao papel, plástico e metais; e 3% são constituídos de resíduos perigosos e outros resíduos não recicláveis, inclusive rejeitos.

Segundo ele, para cada tipo de resíduo há uma destinação correta, seja reutilização ou reciclagem. “Mas devem ser observados cuidados bastante específicos”, diz, elencando, a seguir, os principais tipos de RCC, os processos para reutilização ou reciclagem e os cuidados requeridos.

Solos
Aterros de RCC classe A abrangem a recuperação de áreas degradadas pela atividade de mineração e serviços de regularização topográfica de terrenos, através de obras de engenharia com capacidade de receber resíduos definida por projeto específico.

Produção de argamassas utilizando areia reciclada em canteiro para assentamento e contrapiso
Para aterros de RCC classe A, é preciso identificar licenciamento ambiental específico que habilite os empreendimentos para o recebimento e disposição final de solos. Para obras de engenharia que demandam terra para mera regularização topográfica, considerar requisitos específicos da legislação local.

Alvenaria, concreto, argamassas e cerÂmicos
Os resíduos brutos podem ser reutilizados em obra para reaterros, de forma simplificada, reconhecendo condições necessárias de compactação e estabilidade do terreno. É possível reutilizar as aparas de blocos para preencher vãos na execução de vedações em alvenaria. Ou britar resíduos para homogeneização (produção dos agregados reciclados) empregados para enchimentos, estabilização de terrenos, sub-base e base de pavimentos, contrapisos, drenagens, produção de argamassas, concretos não estruturais, entre outros usos. As possibilidades poderão estar relacionadas a processamento dos resíduos em canteiro ou em unidades de reciclagem externas.

Produção de agregados e fabricação de blocos de vedação em canteiro, utilizando resíduos de demolição (concreto)Os cuidados, neste caso, estão na identificação do perfil de geração dos resíduos para definir processos de reutilização ou reciclagem, respeitando também os potenciais consumos locais dos materiais reutilizáveis e, mais especificamente, dos agregados reciclados. É importante considerar a tecnologia mais adequada para atender o mercado demandante e as especificações definidas por normas técnicas aplicáveis. Recomenda-se, portanto, reconhecer oportunidades, tanto no canteiro quanto na cidade.

Madeira
O procedimento ideal é reutilizar as peças exaustivamente e redimensioná-las para uso diversificado, preparando local próximo da carpintaria para formação dos estoques intermediários. Esgotadas as possibilidades de reuso em canteiro, destinar externamente para unidades que trituram resíduos de madeira, transformando-os em cavacos para servirem como combustível em fornos e caldeiras em substituição à madeira virgem. Há também a possibilidade de readensamento dos resíduos triturados, ganhando a forma de briquetes para melhoria do potencial energético da biomassa para queima em fornos e caldeiras.

Produção de agregados reciclados em usina especializada na malha urbana
É preciso preparar locais para triagem dos resíduos em canteiro, garantindo qualidade das cargas com isenção de contaminantes, como terra, areia, cimento e outros.

Papel e papelÃo
Desde as caixas até as sacarias vazias, o papel e o papelão devem ser enviados a cooperativas ou a empresas que comercializam aparas para formação dos lotes para venda aos recicladores, que produzem embalagens e artefatos, incorporando conteúdo de papel reciclado ao processo de produção.

O armazenamento temporário no próprio canteiro deve ser feito em local abrigado e seco. Poderá haver forte restrição em alguns dos mercados à destinação de sacarias de cimento e argamassas, por conta do acúmulo de grãos entre as folhas.

Triagem dos resíduos em carpintaria e reciclagem com produção de cavacos em usina especializada na malha urbana
PlÁstico
Os materiais plásticos estão presentes em embalagens, lonas, telas, pedaços de tubulações e conduítes, entre tantos outros. O canteiro deve destinar esse tipo de RCC a cooperativas ou empresas que comercializam resíduos de plástico para formação de lotes para reciclagem, em um processo que envolve moagem, lavagem, secagem, aglutinação, extrusão, resfriamento, granulação ou peletização e, finalmente, uso como insumo na produção de artefatos em plástico.

É importante realizar a identificação prévia, na cadeia de reciclagem regional, das condições específicas para destinação, considerando principalmente, os tipos de polímeros que são aceitos.

Metal
Embalagens vazias, arames, pedaços de tubulações e vergalhões de metal, entre outros itens, são encaminhados a cooperativas ou a empresas que comercializam sucatas metálicas, com destinação final na indústria siderúrgica.

O procedimento em canteiro envolve o esgotamento de embalagens de tintas e congêneres para esvaziamento e aproveitamento máximo do conteúdo. Isto é importante por tratar-se de resíduo perigoso. Além disso, é boa prática utilizar apenas agentes formais como destinatários, ainda que tal prática implique em assumir custos de transporte e abrir mão de receitas com venda para agentes iminentemente informais.

Estoques de resíduos de papelão em depósito de aparas especializado e formação dos lotes para comercialização após prensagem e enfardamento
Gesso
As sobras de aplicação e aparas de gesso acartonado devem ser enviadas a empresas que concentram cargas para destinação final dos resíduos em indústrias de cimento. O material será utilizado nessas indústrias para controle da pega do cimento na fase de moagem do clínquer.
Os resíduos devem ser ensacados assim que forem gerados e acondicionados em caçambas exclusivas, para evitar mistura com resíduos de alvenaria e concreto.

Resíduos perigosos
Tintas, solventes, óleos, graxas, instrumentos de aplicação impregnados, estopas, uniformes, EPIs contaminados, entre outros, são classificados como resíduos perigosos. Devem ser destinados a empresas aptas a receberem resíduos perigosos para uso em fornos de cimento (coprocessamento).

Neste caso, são vários os cuidados no canteiro, a começar pelo preparo de abrigo sinalizado, contido e ventilado para acondicionamento temporário. É preciso manter à mão um kit para mitigação constituído por areia ou serragem com pá para recolhimento dos resíduos contaminados e limpeza de superfícies, após derramamento de combustíveis ou de outras substâncias químicas. E, ainda, providenciar documentos necessários para validar o processo de destinação de resíduos perigosos – no estado de São Paulo é necessário obter o Certificado de Movimentação de Resíduos de Interesse Ambiental (CADRI). O transportador a ser contratado precisa ter habilitação específica para transportar resíduos perigosos.

Amianto
A destinação deve ser feita em aterros aptos a receber resíduos classe I – perigosos.

O primeiro cuidado com o amianto é evitar fragmentação. Materiais contendo amianto devem ser paletizados, cintados e envelopados preferencialmente com plástico espesso. O ideal é rotular telhas e acondicioná-las em big-bags, rotulados os fragmentos. São exigidos documentos para validar o processo de destinação de resíduos perigosos – no estado de São Paulo, é necessário obter o CADRI. O transportador a ser contratado deverá ter habilitação específica para transportar resíduos perigosos.

Efluentes fÍsico-quÍmicos
As águas residuais da lavagem de instrumentos de aplicação como pincéis, trinchas e brochas devem ser destinadas a estações de tratamento de efluentes físico-químicos.

Entre os cuidados em canteiro, é preciso providenciar tambores para lavagem exclusiva e exaustiva dos instrumentos de aplicação, concentrando o efluente até que a lavagem seja inócua. A exemplo dos demais resíduos perigosos é preciso providenciar documentos para validar processo de destinação de resíduos perigosos – no estado de São Paulo, obter o CADRI. O transportador a ser contratado deverá ter habilitação específica para transportar resíduos perigosos.

Elcio Careli acrescenta que processos mais artesanais podem ser identificados, porém, quando em reduzida escala, as soluções são pouco aplicáveis. É o caso da produção artesanal de bolsas, utilizando sacarias de cimento e argamassas vazias. “Recomendo que a obra adote iniciativas para minimizar perdas relacionadas à otimização do uso de recursos. Entre elas, o acondicionamento adequado dos insumos, limpeza da obra associada diretamente à execução de cada tarefa e soluções de projeto que minimizem improvisações geradoras de resíduos”, conclui o especialista.

——————————————————————————–

COLABOROU PARA ESTA MATÉRIA

Elcio Careli – Economista formado pela Universidade de São Paulo (USP) e mestre em Tecnologia Ambiental pelo Centro Paula Souza – SP. Coautor do Manual de Gestão Ambiental de Resíduos da Construção Civil publicado pelo Sinduscon/SP.

You can follow any responses to this entry through the RSS 2.0 Both comments and pings are currently closed.